Adufscar

Sindicato dos Docentes em Instituições Federais de Ensino Superior dos Municípios de São Carlos, Araras e Sorocaba

Publicado em 24.04.2019

PALESTRA “CAPITALISMO  DE  PLATAFORMA  E  AS  LINHAS  DO  ALGORITMO

1556120890_cocco1000.jpg

Dia 09 de maio - 19H30 - Auditório da ASDUFSCar - Campus UFSCar de São Carlos

O regime de acumulação da nova globalização está em crise. Por um lado, estamos nas consequências da crise financeira de 2007-8. Pelo outro, estamos dentro do aprofundamento "algorítmico" do capitalismo que chamamos de "cognitivo". No final da década de 1990, a definição do regime de acumulação contemporâneo como "cognitivo" enfatizava todos os elementos de desmaterialização que a passagem da "produção de bens por meio de conhecimento" para a "produção de conhecimento por meio de conhecimento" acarretava: capital intangível e trabalho imaterial pareciam serem as duas características paradigmáticas de uma acumulação "cognitiva" do valor que relegava o trabalho material do chão fabril à China e em geral aos territórios onde essa vantagem comparativa residual ainda era preponderante. A explosão das redes sociais e das plataformas indicam uma virada algorítmica (que a inteligência artificial promete acelerar e amplificar) que produz linhas que separam, por um lado o visível (das redes sociais) do invisível (dos próprios algoritmos e das dimensões físicas que sustentam a progressão da efetiva capacidade de computação) e as linhas desenhadas pela inversão paradoxal do mote marxiano que dizia que o capitalismo "desmancha no ar tudo que era sólido". Esse desmanche, essa fragmentação só pode acontecer porque tudo que é imaterial (nossas decisões mais banais) hoje se solidifica em "data" que constituem as jazidas da mineração algorítmica. Em nossa palestra tentaremos discutir dos desafios que essas transformações nos colocam.

SOBRE O PALESTRANTE:

Graduado em Sciences Politiques - Université de Paris 8 (1984). Mestre em Science Technologie et Société - Conservatoire National des Arts et Métiers (1988). Mestre (1988) e doutor (1993) em História Social - Université de Paris I (Panthéon-Sorbonne) (1986) e doutorado em História Social - Université de Paris I (Panthéon-Sorbonne) (1993). Pós-Doutorado no departamento de Psycho-Social Studies da Birkbeck University de Londres (em 2017-2018). Atualmente é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro, membro da Pós-Graduação da Escola de Comunicação e do Programa em Ciência de Informação (Eco-Ibict), Pesquisador 1 do CNPq, Cientista do Nosso Estado (Faperj), é editor das revistas Lugar comum (1415-8604) e - Multitudes (Paris) (0292-0107).Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, com ênfase em Política Urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, comunicação, globalização, cidade, fordismo e cidadania. Publicou com Antônio Negri o livro GlobAL: Biopoder e lutas em uma América Latina globalizada, (Record:2005), MUNDOBRAZ: o devir-Brasil do mundo e o devir-mundo do Brasil (Record, 2009) e KORPOBRAZ: Por uma política dos corpos (Mauad, 2014). O último livro publicado é New Neoliberalism and the Other. Biopower, Anthropophagy and Living Money.